Produtividade

Como ser mais produtivo?

Primeiro, algumas premissas:

  1. De início, é relevante definir o que é ser produtivo. Produtividade significa ‘capacidade de produzir’. Produtivo, portanto, é ‘o que’ ou ‘quem’ produz algo. Dito isso, a análise da produtividade está atrelada ao resultado da atividade exercida (e não ao esforço nela empregado);
  2. Capacidade e esforço importam. Eles podem interferir, de forma decisiva, no resultado que se vai alcançar. A junção de ambos, aliado a oportunidades, heranças culturais e momento histórico, pode levar à excelência, como demonstrou Malcolm Gladwell no livro Outliers (‘Fora de Série’);
  3.  Esforço e dedicação empregados dentro de uma mentalidade correta (o “mindset do crescimento” ao qual se refere Carol Dweck), podem influenciar de forma decisiva nos resultados que serão alcançados. As capacidades pessoais atuais (em sentido amplo) representam o ‘local’ onde estamos hoje. Mas é impossível prever até onde uma pessoa pode ‘chegar’ (a história é cheia de exemplos de flagrantes equívocos de avaliação, a partir de análises pontuais e isoladas, inclusive por meio de provas e avaliações);
  4. O esforço e a dedicação, contudo, precisam ser ‘desmistificados’. Eles não representam um fim em si mesmo, mas sim um meio para se alcançar algo. Aqui, é onde voltamos ao tema da produtividade. Muito esforço com pouco resultado gera frustração. É preciso esforçar-se corretamente (por exemplo: estudar de forma mais adequada ou menos adequada vai demandar tempo e esforço semelhantes, porém com resultados muito diferentes);
  5. Se você busca alcançar algo e ser valorizado é preciso focar no resultado (e não apenas no esforço). Além disso, o resultado deve ser relevante. Por isso, perguntas como: quantas horas estudar por dia fazem menos sentido do que o resultado objetivo que o estudo dessas horas vai gerar. Em suma: se você quer produtividade, é preciso avaliar o resultado que o esforço produz.

Colocadas essas premissas, seguem algumas observações:

  1. Tenha objetivos claros. Gosto da matriz apresentada por Covey, no livro ‘Primeiro o Mais Importante’ na qual é possível conjugar importância e urgência. Em resumo: há coisas ‘importantes e urgentes’, ‘importantes e não urgentes, ‘urgentes e não importantes’ e ‘não urgentes e não importantes’. Defina o que é IMPORTANTE para você. Saiba que é fundamental focar no que é ‘importante, mas não urgente’ e tomar muito cuidado com o que é ‘urgente e não importante’ e com o que ‘não é importante e nem urgente’.
  2. Mas… por que eu deixaria o que é importante de lado? Por várias razões. Seguem três delas: 2.1. Porque você não definiu o que é realmente importante; 2.2. Porque você é atropelado pelas urgências (não importantes); 2.3. Porque o importante ‘dá trabalho’, ‘tira da zona de conforto’ e você posterga (procrastina);
  3. Como resolver? Pelo início: 3.1. Defina o que é importante; 3.2. Comprometa-se com o que importa; 3.3. Estabeleça metas e objetivos claros, a partir da sua matriz de importância; 3.4. Aja dentro daquilo que é mais importante. ATENÇÃO: Aqui, é preciso abandonar o mito das multitarefas e do gerenciamento do tempo. Primeiro, defina, delimite e corte. Só depois, gerencie o tempo. É equivocado gerenciar o tempo para realizar muitas tarefas. Priorize o que importa. Tenha foco total em realizar as atividades que vão gerar resultados naquilo que é importante para você.
  4. Estabelecido um objetivo, tenha foco, disciplina e intensidade. Conforme ensina Ferriss, no livro ‘Trabalhe 4 Horas por Semana’, a combinação das Leis de Pareto e Parkinson gera resultados poderosos: “1. Limite as tarefas ao que é importante para reduzir o tempo de trabalho (80/20). 2. Encurte o tempo de trabalho para limitar as tarefas ao que é importante (Lei de Parkinson)”;
  5. Uma dica final: Como evitar a procrastinação (fazendo o que não é importante ou o que não é urgente)? Brian Tracy traz uma boa orientação no livro ‘Comece pelo mais Difícil”. Uma ótima forma de evitar a procrastinação e deixar que uma tarefa, atividade ou problema se arreste por dias, meses ou anos é resolvê-lo o quanto antes. Em resumo: sempre comece seu dia ou suas atividades pelo mais importante (ainda que mais difícil). Resolva logo o que importa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


error: Conteúdo protegido contra cópias