Como obter um alto desempenho em provas de concursos públicos 

Treino é treino, jogo é jogo, diz o famoso ditado do mundo da bola.

É comum ouvirmos no noticiário esportivo que um determinado jogador de futebol arrebentou nos treinos, mas no dia do jogo seu desempenho deixou a desejar. Por outro lado, alguns outros jogadores conseguem um alto desempenho no dia do jogo, embora nunca tenham tido grande destaque nos treinos ou em outros jogos.

Essas situações deixam claro como é importante (fundamental mesmo) ir bem (fazer a coisa certa) na hora certa. Marcar o gol do título em uma final, por exemplo, é algo que fica marcado na história de qualquer jogador, assim como perder o pênalti decisivo.

 Não… esse não é um post sobre futebol.

 É que essas variáveis também se aplicam para os concursos públicos, segundo o juiz federal e professor Érico Teixeira, coordenador acadêmico e pedagógico do curso Ênfase e 1º colocado no concurso da magistratura federal, um dos mais difíceis do país.

 Confira, na íntegra, a entrevista feita com o professor pela equipe do site.

 1) Professor, é possível que, assim como numa partida de futebol, haja grande variação do desempenho, da performance, do candidato no dia da prova?

Com certeza. Estou envolvido em concursos públicos, como candidato e professor, há 15 anos. E, nesse tempo, vi muitos candidatos que maximizaram ou minimizaram o seu rendimento em provas. Vi candidatos que obtiveram uma alta performance considerando o grau de conhecimento que tinham e candidatos que obtiveram uma baixa performance considerando o nível de preparação no qual se encontravam. A maximização da performance significa, portanto, obter o máximo rendimento possível com o conhecimento que o candidato possui. Em suma: não se trata de mágica, mas sim de aproveitar da melhor maneira possível o que se sabe.

 2) A que você atribui essa variação de rendimento?

A diversos fatores. Externos e internos. Físicos e psicológicos. São exemplos de fatores ou causas externas (ambientais, físicas e psicológicas) que podem afetar o candidato: o trânsito, o barulho, o desconforto das acomodações, o clima, a pressão familiar, o stress, dentre outros. Tudo isso pode prejudicar o candidato no dia da prova, tanto física, quanto psicologicamente. Por exemplo, o candidato que não se alimenta adequadamente, que não descansa, que sofre pressão familiar pode se abalar internamente e minimizar a sua performance (rendimento) no dia da prova.

 3) Como é possível combater esses fatores?

Em relação às questões físicas, as palavras de ordem são conforto e adequação. É recomendável que o candidato adote todas as medidas para que se sinta fisicamente confortável no dia da prova. Embora haja um certo grau de subjetividade, há algumas medidas aplicáveis à maioria das pessoas, dentre elas:

1)      Alimentação adequada. Na véspera e no dia da prova, evite alimentos gordurosos ou de difícil digestão, bem como bebidas alcoólicas. Na véspera, procure comer alimentos que não prejudiquem o sono. No dia, a recomendação é tomar um café da manhã que seja de fácil digestão e levar para a prova algumas barrinhas de cereal  para evitar a queda da glicose no organismo, alem de água;

2)      Vestuário adequado. Procure se vestir de maneira confortável e adequada, evitando roupas justas, curtas ou apertadas, que te façam sentir calor ou frio;

3)      Procure descansar e relaxar na véspera da prova

 Em relação às questões psicológicas, o recomendável é evitar qualquer fator externo que possa aumentar o nervosismo de véspera. Algumas dicas práticas são: pesquisar com antecedência o local da prova; escolher e separar na véspera a roupa que vai usar no dia da prova; conferir e testar o material e os documentos necessários para a realização da prova; sair de casa com antecedência; procurar se acomodar confortavelmente na sala. Em suma: você precisa criar e montar toda a estrutura necessária para obter o melhor rendimento possível no dia da prova. Isso porque, por exemplo: se no dia, você não encontra o local da prova, chega em cima da hora ou verifica que não está com o material adequado, você aumenta o grau de stress e gasta energia com algo secundário, ou seja, com as atividades meio relacionadas à prova e não com o seu objetivo fim que é a aprovação.

 Em relação aos demais fatores psicológicos, é preciso aprender a gostar de fazer prova. Lembre-se: treino é treino, jogo é jogo. Encare a prova com toda a seriedade possível, lembrando que se trata de um momento único, mágico, que pode mudar o rumo de sua vida. Esse é o momento para o qual você se dedicou e que dá sentido a todo o esforço e renúncias que envolveram a sua preparação. Em síntese: a realização das provas é o que justifica tudo que você viveu até o momento em relação a concursos públicos.

 4) Mas professor, essa expectativa não aumenta a ansiedade? Considerando a importância da prova, como combater o medo, a ansiedade, o nervosismo inerentes a todo esse processo?

Sim, e esse é o grande paradoxo dos concursos. Sempre defendi a máxima de que o que vale a pena ser feito, vale a pena ser bem feito, ou seja, prova é coisa séria. Não recomendo que concurso público seja feito de maneira aleatória. Mesmo que você não tenha a perspectiva de ser aprovado, dedique-se, até para saber o seu real grau de preparação. Lembre-se: é final de semana e você poderia estar em qualquer lugar, mas está fazendo uma prova. Então, faça direito. Leve a sério. Por outro lado, essa perspectiva aumenta a ansiedade e, como você bem disse, esses sentimentos (medo, nervosismo, ansiedade) são inerentes ao concurso público. É preciso vivenciá-los, senti-los, pois eles farão parte de todo o processo. Você deve usá-los a seu favor. Caso bata ansiedade, medo, nervosismo, PARE! RESPIRE! Procure se concentrar e colocar as coisas em perspectiva. Lembre-se que concurso público não é o fim do mundo; que você não tem nada a perder; que as coisas só podem melhorar; que, se tudo der errado, haverá outras provas;  que você estudou; que não há o que temer e, principalmente, evite pensamentos negativos e lembre-se: VAI DAR TUDO CERTO!

 5) Professor, seria possível resumir as orientações em 10 dicas úteis e práticas aos candidatos?

Sim, vamos lá:

1) Verifique e, se for o caso, escolha, na véspera, o local de prova, a forma de acesso, o material a ser utilizado e a roupa que vai vestir, deixando tudo pronto e separado;

2) Prepare-se com antecedência e vista-se (com roupas confortáveis) e alimente-se adequadamente (evitando alimentos gordurosos e de difícil digestão);

3) Leve água e duas ou três barrinhas de cereal para se alimentar durante a prova;

4) Pense positivamente sempre, em especial na véspera e durante o trajeto até a prova, lembrando de tudo o que você vivenciou e de quanto se preparou para esse momento (lembra-se: vai dar tudo certo!!!);

5) Acomode-se confortavelmente no local onde será realizada a prova;

6) Encare a prova com toda a seriedade possível. Lembre-se: treino é treino e jogo e jogo. Chegou a hora do jogo;

7) Controle o tempo sempre. Antes, durante e até o final da prova!

8 Comece pelas questões que você tem mais facilidade para ir ganhando confiança, deixando as mais difíceis para o final;

9) Se der um branco, PARE E RESPIRE, vá ao banheiro e lave o rosto. Lembre-se: que fazer provas não é nada de mais e você só tem a ganhar!

10) Curta, viva e sinta esse momento que, no futuro, fará parte das muitas histórias que um dia você ainda vai contar aos seus filhos, amigos e netos.

Um grande abraço e muito SUCESSO a todos!!!

error: Conteúdo protegido contra cópias